quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Cuidados com os exercícios após lesão no joelho

Queimar etapas e acelerar a volta pode causar recidiva
Por Ricardo Nahas



Mede-se o sucesso de um tratamento pela qualidade com que se retomam as atividades que precedem a lesão, o que torna a reabilitação e os treinos passo fundamental na volta ao esporte. Uma das sedes mais frequentes de traumas, agudo ou crônico, os joelhos requerem atenção muito especial antes do retorno a fase competitiva, após lesão.

Queimar etapas e acelerar a volta à prática esportiva nem sempre é um bom negócio. O maior risco que se corre assumindo esse risco é o retrocesso, ou seja, a recidiva da lesão. E, se acontecer, tudo volta à estaca zero, dobrando o tempo de recuperação, no final das contas. 

Os ensaios de literatura são fartos em fórmulas, algoritmos, consensos e diretrizes para o trabalho entre a cura da doença e a volta a competição. No entanto, todos giram em torno de uma recuperação funcional plena. 

Sabemos que os joelhos são dependentes dos músculos que o servem no arco de movimento e que sua simples atrofia é responsável por perda da função, transformada em doença. 

 Ciente desse fato, a orientação é perder o mínimo possível de sua capacidade muscular de força e resistência. Exercícios devem ser orientados com este objetivo desde o início do tratamento, minimizando perdas, até o momento da execução do gesto ao retorno do esporte praticado. Para esta força e resistência, exercícios isométricos, isotônicos e isocinéticos são utilizados à medida que a reabilitação se desenvolve. O balanço agonista/antagonista e com o membro contra lateral deve receber igual importância e tratamento.

Junto com o cuidado do "motor" do movimento - os músculos, devemos olhar para o arco de movimento, ou seja, a distribuição de forças ao longo de toda a superfície articular conseguida quando o joelho volta a recuperar toda sua plenitude.

A flexibilidade, combinada com a força e resistência muscular localizada, conferem a articulação sua função mais básica para execução de tarefas do dia a dia, do cotidiano. O esporte exige mais. 

Comprovada a reabilitação, exercícios de propriocepção são implementados procurando reeducar ligamentos no novo contexto espacial, de equilíbrio e coordenação, auxiliados pela estabilidade conferida pela força e a amplitude obtida com o alongamento e flexibilidade articular.

Todo esse processo localizado de recuperação deve ser acompanhado por exercícios de resistência aeróbia desde o início, se possível o mais próximo do esporte praticado. Por exemplo, se for jogador de futebol, em corridas, se for ciclista, pedalando.

No entanto, nem sempre isso é possível. Mesmo assim, o treino aeróbio deve ser estimulado e devem também ser adaptadas maneiras para que as trocas metabólicas permaneçam e ocorram próximo da máxima eficiência, ajudando no tratamento como um todo.

Observe que, independente da lesão, quanto mais rápido forem instituídos exercícios, melhor o resultado obtido no tratamento e mais precoce será o retorno ao esporte, em melhores condições.

Jamais devemos esquecer que cada caso é um caso. Ou seja, não é porque o vizinho se deu bem com determinado tratamento que você também irá obter sucesso com o mesmo. Os aptos a comandarem o show são seu médico, fisioterapeuta e educador físico. Não deixe de ouvi-los. Todos treinados para essa finalidade.  

Fonte:minhavida.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário